Pular para o conteúdo principal

INOVAÇÃO: BEBENDO NA FONTE DA FILOSOFIA | Forno micro-ondas ou fogão a lenha?


O mundo caminha em busca de novidades. Você percebe que, nas diferentes áreas da vida, o inovar se coloca como uma necessidade, especialmente quando envolve a tecnologia aplicada. Da medicina à engenharia civil, há inúmeros exemplos de inovação. Na primeira, pesquisadores desenvolveram um método de IMPRESSÃO 3D PARA IMPLANTES MÉDICOS feito com silicone macio, o que os torna mais resistentes, mais rápidos, menos dispendiosos, mais flexíveis e mais confortáveis ​​do que os implantes atualmente disponíveis.

Já os SENSORES VESTÍVEIS são exemplos de inovação na engenharia civil. As companhias colocam sensores inteligentes nas roupas dos trabalhadores para obter ganhos em segurança. Por exemplo, os sensores avisam se houve algum impacto. Já relógios de pulso monitoram a temperatura corporal e evitam a exaustão térmica. Tantas outras inovações, nas mais diferentes áreas, nos circundam e abrem novas possibilidades para a evolução constante.

Em educação, essa ideia também está presente, porém por vezes a palavra INOVAÇÃO é fortemente entendida como aquilo que é integralmente inédito, quando na verdade não necessariamente precisa ser. Para compreender com um pouco mais de profundidade esse termo, resolvemos buscar a definição na filosofia, apresentando a etimologia da palavra.

INOVAÇÃO tem como matriz a palavra “INOVAR” que significa “tornar novo; renovar, restaurar”. A origem do verbo vem do latim “INNOVO ARE”, que quer dizer: “introduzir novidade em”. Dessa forma, compreendemos que inovação também nasce da busca do conjugar o que já existe e é pertinente, com um quê de inédito.

Inovar não se resume apenas ao que é inédito ou novo. Precisamos desfazer esse equívoco e compreender que o tradicional e o antigo ainda têm seu lugar ao sol.
Um dia desses, tive o prazer de ouvir o sábio filósofo Cortella fazendo a diferenciação entre as palavras Tradicional x Arcaico e Antigo x Velho.

Conforme ele distinguiu, TRADICIONAL é aquilo que existiu e ainda existe, e que carrega vitalidade e importância, enquanto que ARCAICO é aquilo que não tem mais lugar porque está anacrônico, fora de tempo, não cabe mais, não se aplica.

Como educadora, concordo com Cortella. Muito embora Piaget, Vygotsky, Dewey e tantos outros educadores tenham despontado no século passado, eles são tradicionais, suas ideias não morreram, ainda se aplicam, têm sentido e cabem perfeitamente ainda hoje. A AUTORIDADE de um professor é TRADICIONAL, porém qualquer forma de AUTORITARISMO é ARCAICA.

ANTIGO e VELHO são igualmente dois termos muito confundidos. Você é uma pessoa antiga ou uma pessoa velha? Segundo Cortella, ninguém nasce pronto e vai se gastando ao longo da vida. O que nasce pronto e se gasta ao longo do tempo são roupas, computadores, sapatos e tantos outros objetos. Esses sim ficam velhos. Mas nós, seres humanos, vamos nos fazendo ao longo dos anos, nos desenvolvendo, vamos crescendo, portanto podemos até ser antigos, mas não velhos. E a cada ano que passa temos a melhor versão de nós mesmos, diz ele.

De forma muito descontraída, nosso sábio filósofo dá um exemplo do que é tradicional: Você sai para almoçar e vê um restaurante com o cartaz: “Fornos micro-ondas de última geração”, e logo ao lado um outro restaurante que diz: “Fogão a lenha”. E então, qual deles você escolhe para fazer a sua refeição? Em geral, as pessoas querem a comidinha feita em forno a lenha, em função do sabor superior, da lembrança da casa da vovó ou algo parecido. O fogão a lenha é tradicional, tem vitalidade, cabe, é bom. E se usado em um restaurante nos dias de hoje, associado a outras tecnologias da cozinha moderna, significará uma “INOVAÇÃO”, uma renovação de ares.

Em educação, a inovação também segue essa linha de raciocínio, não é preciso jogar tudo fora, podemos resgatar o tradicional e implementá-lo. Não tem a ver com substituição completa, mas representa sim aplicar aquilo que se mostra importante e pertinente para nossos dias (o tradicional), mesmo que pequenas adaptações sejam necessárias em caráter complementar. O que está em jogo é muito mais uma questão de encaminhamento metodológico, de quebra de modelos engessados, de propor uma forma diferente de estrutura e organização do trabalho pedagógico, do que somente de tecnologias ou estruturas físicas para a escola, embora elas sejam importantes.

Como exemplo prático do tradicional implementado, citamos o case de uma professora de São Paulo que usou a lógica do jogo de tabuleiro para aproximar e engajar alunos antes completamente desinteressados pela leitura. Ela percebeu que eles gostavam de desafios, porém não se interessavam por ler, então criou uma atividade que denominou “xadrez literário”, unindo o tabuleiro, técnicas de jogos e o conteúdo das obras literárias. Os enigmas do jogo de tabuleiro tinham respostas nas obras literárias. Um case e tanto!

Se desejar, acesse o link e leia o artigo completo, que conta detalhes do trabalho com o xadrez literário:

Acesse também o site que detalha as últimas inovações tecnológicas, da medicina à engenharia civil, citadas neste texto:

Quer conhecer mais cases de inovações que transformam a aprendizagem? Participe conosco do II Encontro de Educação Appai. Inscreva-se! Até lá.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…