Pular para o conteúdo principal

Declaração de amor à Língua Portuguesa


Hoje é comemorado o Dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas, uma data que acaba sendo direcionada para uma atenção especial para a Língua Portuguesa, um dos mais importantes traços a unir os nove países que utilizam o idioma. Aqui no Brasil ela está entre os símbolos nacionais e faz jus a essa condição na medida em que é um dos poucos exemplos em nível mundial de países com grandes extensões territoriais e diversidade cultural onde um único idioma satisfaz a função comunicativa e garante a integração entre um número muito grande de pessoas.

Os números mundiais da língua portuguesa também são bastante relevantes, apesar de à primeira vista não parecer. Algo em torno de 260 milhões de pessoas no planeta utilizam a língua de Camões. Isso faz com que ela seja atualmente a quarta mais falada no mundo, perdendo apenas para o mandarim, o inglês e o espanhol. É também a terceira mais falada no Ocidente, a mais utilizada no hemisfério sul da terra e uma das poucas presentes em quase todas as latitudes do planeta (só não é falado na Oceania).

As projeções para o futuro também são animadoras com relação à expansão do idioma. Segundo dados recentes divulgados pela ONU, é provável que em 2050 o número de falantes chegue a quase quatrocentos milhões. Outro dado interessante é que essas previsões afirmam que a explosão demográfica hoje observada em países africanos como Angola e Moçambique deverá fazer com que os falantes de português desse continente ultrapassem o do Brasil lá pelo final do século XXI, quando se deverá chegar a meio bilhão de usuários de língua portuguesa no mundo.

A tradição poética, um dos grandes traços da personalidade portuguesa, herdada principalmente de suas raízes árabes e celtas, se encaixaria muito bem na verve imaginativa e mágica que se formou do lado de cá do Atlântico. Uma singularidade que pode ser bem expressa nos famosos “ser” e “estar”, que na língua portuguesa constituem duas ideias diferentes, enquanto que em todas as outras línguas derivadas do latim são praticamente uma coisa só. No mundo lusitano “ser” não é “estar”. Eu posso estar de uma maneira sem de fato ser; e posso ser de uma forma apesar de não estar em dado momento. Uma alternância difícil de explicar para os não lusófonos, mas que reflete bem a alma instável que somos, dada a improvisos, rompantes, inspirações e criatividade. Em que outro matiz cultural se pode, por exemplo, “amanhecer alegre”? Quem amanhece é o dia e nele podemos estar alegres, mas preferimos entender que as forças da natureza nos conduzem daqui para ali.

O “dono” da língua, o pequeno e discreto Portugal, para ver seu idioma desfrutar da abrangência mundial que possui, teve que contar com a colaboração de sua maior colônia. O Brasil, com seus aproximadamente 206 milhões de habitantes, responde por 80% dos usuários da língua portuguesa. E, modéstia deixada de lado, o que nós não fizemos do tesouro linguístico que os colonizadores nos deixaram?! Basta ver, por exemplo, o formal “vossa mercê” do colonizador, que se transformaria no “vosmecê” do período colonial; seria simplificado num “micês”; daí a um “você”, que carimbou lugar na galeria oficial de pronomes de tratamento inclusive da norma culta; não satisfeito, gerou um doce “ocê” na fala mansa do homem do campo, e por fim um “comé que ce tá?”, que os brasileiros de norte a sul, de todas as classes e níveis de instrução utilizam para negar qualquer formalidade ao dia a dia. Fatos como esse, muito abundantes no modo brasileiro de falar a língua portuguesa, confirmam frases clássicas de dois grandes mestres do idioma. “A minha pátria é minha língua”, diz o português Fernando Pessoa, ao que se pode acrescentar o gênio de Manuel Bandeira quando decreta que “o povo é que fala gostoso o português do Brasil”.

Aliás a língua portuguesa que falamos (pra muitos língua brasileira), que hoje tanto influencia o falar dos próprios portugueses, tratou de levar para o mundo lusófono toda a diversidade da nossa cultura. Basta dizer que o nosso português se construiu a partir de uma espécie de plataforma deixada pela chamada língua-geral, uma criação dos missionários jesuítas, compilando palavras do tronco tupi-guarani. Quando o marquês de Pombal decreta no século XVIII a obrigatoriedade de o português circular como idioma oficial da colônia abolindo qualquer outra, é sobre os falares que se diferenciam nos aldeamentos de norte a sul que a língua portuguesa se apoia. Vem daí a riqueza léxica, prosódica, o fraseado, os sotaques, enfim a deliciosa sonoridade que só quem viaja pelo Brasil pode perceber.

Se falares africanos já haviam influenciado a própria formação da língua portuguesa na Europa, avalie entre nós, que recebemos através do nefando instituto da escravidão dezenas de milhões de almas e uma infinidade de culturas? Eles ajudaram a moldar o jeito doce e musical que seduz tanta gente, além de legar um sem-número de palavras que hoje falamos em ocasiões tão especiais: samba, caçula, cafuné... Ainda hoje a herança africana que compõe o Brasil tem atuação preponderante na difusão do idioma, como se pode constatar nessa verdadeira embaixada da língua portuguesa que são os grupos de capoeira espalhados pelo mundo. Seja qual for a latitude do planeta em que se tenha aberto uma roda, todos os participantes forçosamente sabem alguma coisa de português. Imagine a experiência de gente de todo tipo – orientais, caucasianos, mestiços – jogando/dançando/lutando e se comunicando através de termos tão familiares como rabo de arraia, macaco, bananeirinha...

Enfim, pra terminar esse texto, aproveito primeiro para expressar a minha felicidade de poder estar em contato diário com essa língua em condição, digamos, mais especial do que a de mero falante, o que já não seria pouca coisa. Como profissional que tem como matéria-prima esse idioma, sou levado diariamente a vivenciar a gratificante experiência de penetrar num acervo tão rico de histórias, ideias, sensações e pensamentos. Cada palavra traz em si um universo indefinível de significados, de vivências humanas que ajudaram a construir uma cultura multicontinental como a que parte da Península Ibérica e que já é, por si só, o resultado de tantas outras culturas, línguas e povos.

Assim como eu, cada professor, cada estudioso, cada acadêmico, cada escritor, mas também cada leitor ou apenas falante, somos todos, de uma forma ou de outra, cultores de uma língua, construtores de um imenso acervo cultural, trabalhadores que dia a dia aumentam o patrimônio de uma parte da humanidade e o deixam para o conhecimento universal, para a memória da espécie humana. Os parabéns vão para todos aqueles que de alguma forma têm como materna a língua de Camões, mas também de Machado, de Semedo, de Agualusa, de Mia Couto, de joões, de marias, de beltranos, fulanos e sicranos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…