Pular para o conteúdo principal

Como migrar da Educação 2.0 para a Educação 3.0


A resposta vem direto do campo de estudo das inovações. O termo “inovar” vem do latim *innovo, are” e significa “mudar para melhor; introduzir novidades em; inventar”. Esse campo é bastante estudado por diferentes autores, porém há certa unanimidade quanto aos tipos de inovação. Doutor Nepomuceno, que tem sido o autor base dos textos sobre Educação 3.0, destaca o que dizem os estudiosos da inovação para que possamos ter respostas e algumas pistas de como resolver nosso problema de migração da Educação 2.0 para a 3.0. Vamos conhecê-las.

Existem três tipos de graus da inovação: incremental, radical e disruptivo. Vamos entender cada um deles para ver em qual estaria a nossa resposta e que caminhos (metodologia) seguir.

A INOVAÇÃO INCREMENTAL é aquela que trabalha aperfeiçoando, acrescentando pequenas mudanças ou mesmo simplificando e melhorando de forma geral o que já existe, sem que sejam alteradas as funções básicas do serviço ou produto. Um exemplo claro de inovação incremental são as versões do Windows que vão surgindo ao longo do tempo. Por exemplo, se você (assim como eu) já tem mais de duas dezenas de anos de vida então certamente já usou os Windows 95, 98, 2000, XP... e por aí a fora. Esse sistema operacional foi passando por incrementações, mas continuou sendo um software com as mesmas funções básicas que vão sendo atualizadas para gerar as novas versões.

Já quando a INOVAÇÃO é RADICAL, ocorre a inserção de novos atributos ao processo ou ao produto, acrescentando novidades ou funções antes inexistentes. Nesse caso, são mudanças mais consistentes do que as da inovação incremental. O professor Nepomuceno cita o exemplo da entrega de pizza sendo feita por drones, e não mais pelos motoboys, como um exemplo claro de inovação radical.

E, por fim, o tipo que muito nos interessa, a INOVAÇÃO DISRUPTIVA, que surpreende com a mudança total e cria um produto ou serviço completamente novo, que chega a causar espanto. Nesse caso não há inovação de continuidade, e sim uma verdadeira revolução, por isso essa também é chamada de inovação revolucionária. Em geral são introduções altamente criativas que, além de práticas, são também economicamente muito atrativas.

Um exemplo desse tipo de inovação foi realizado pela Apple. Quando entrou no mercado de telefonia, a empresa tinha duas fortes concorrentes: BlackBerry (telefonia corporativa) e Nokia (telefonia para uso pessoal), mas essas duas gigantes nem se preocuparam, pois estavam bem estabelecidas. Poucos anos depois, porém, com a mudança disruptiva dos aparelhos da Apple, com a junção telefonia e multimídia, touch screen (tela sensível ao toque) etc., a empresa dominou o mercado, e as concorrentes se tornaram praticamente irrelevantes, a ponto de a Apple alcançar 90% do lucro desse mercado em pouquíssimo tempo.

Todo esse cenário foi apresentado para que pudéssemos compreender que uma inovação disruptiva é a que conseguirá dar conta da migração da Educação 2.0 para a 3.0.

E como isso se dará? Que metodologia pode ser aplicada?


O estudioso do tema, doutor Nepomuceno, aponta como PASSO 1 a criação de laboratórios fora do ambiente comum escolar, que não poderiam mesmo ser desenvolvidos dentro do atual modelo, pois nesse caso a disruptura não aconteceria. O que poderia haver seria uma mudança incremental ou radical, mas esse tipo de transformação não dá conta do nosso problema demográfico. Por isso mesmo, o primeiro passo se dá com a criação de espaços fora do lugar-comum para se experimentar uma cultura nova e completamente diferente.

Nepô alerta que esses laboratórios não devem ser massivos, e sim pequenos inicialmente, e então ir crescendo paulatinamente. Após solidificado esse modelo, poderá crescer em número de participantes, para ser possível chegar ao atendimento de milhões e bilhões no mundo, afinal é essa a nossa realidade demográfica.

O PASSO 2 se refere a quem vai viver a experiência no laboratório da Educação 3.0. Os participantes desse processo precisam passar por capacitações que lhes proporcionem interiorizar que estão numa nova civilização, vivendo um modelo de educação completamente novo, e que o atual não faz mais parte, é preciso deixá-lo completamente, desapegar. Não tem como repetir o modelo antigo nesse novo.


Como PASSO 3, temos a criação de uma plataforma digital para a aprendizagem participativa que permita a interatividade e troca entre participantes. Quer dizer que as pessoas que interagem aprendem com as experiências umas das outras. A ênfase é dada à resolução de problemas e é via plataforma, é clicando, usando todas as ferramentas que o virtual e o digital nos permitem para que a aprendizagem aconteça da forma mais rápida possível, para um grande número de pessoas e com a máxima qualidade em recursos para possíveis soluções. É preciso lembrar que a plataforma digital bem utilizada consegue resolver o problema de escala que temos hoje. É preciso oferecer oportunidades de qualidade para a quantidade, conforme bem pontua Ronaldo Mota, pós-doutor que se dedica ao estudo da Gestão da Inovação e Aprendizagem Independente.

E, para fecharmos o texto, destaco a fala do doutor Carlos Nepomuceno, que traz um recado aos educadores: “A Educação 2.0 está em fase terminal, não porque não tenha sido fundamental para a sociedade. Ela foi importantíssima para a humanidade até este momento. Mas temos hoje dois problemas que nos levaram a pensar a Educação 3.0. O primeiro deles é o aumento demográfico, que pede um novo modelo de educação que dê conta desse crescimento populacional com qualidade. No outro, nós não tínhamos ferramentas, mas hoje dispomos das plataformas digitais para realizar esse processo de oportunizar escola de qualidade para quantidades”.

Todas essas mudanças que a revolução civilizacional está trazendo não são fáceis, por isso mesmo você, professor, assim como eu, temos o direito de achar que essas ideias são muito complexas, porque de fato são, porém a realidade está posta, e você pode buscar saber mais sobre o tema lendo cada um dos textos que publicamos nesta série, pois são complementares e o ajudarão a compreender o todo.

Vamos juntos experimentar essa Educação 3.0, pois se há alguém que entende e gosta de boas rotas de aprendizado esse alguém é você, professor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …