Pular para o conteúdo principal

O Dia Internacional da Mulher


No dia 8 de março, é comemorado o “Dia Internacional da Mulher”. Com o passar do tempo, essa data tornou-se um símbolo de festividades, com muitas flores e caixas de chocolate. Mas, apesar do quão agradável seja ganhar presentes, é importante que cada uma de nós, mulheres, saiba a origem desse dia para comemorar de forma muito consciente.

Como tudo começou...
EVA ALTERMAN BLAY descreve que:

No século XIX e no início do XX, nos países que se industrializavam, o trabalho fabril era realizado por homens, mulheres e crianças, em jornadas de 12 a 14 horas, em semanas de seis dias inteiros e frequentemente incluindo as manhãs de domingo. Os salários eram de fome, havia terríveis condições nos locais da produção e os proprietários tratavam as reivindicações dos trabalhadores como uma afronta, operárias e operários eram considerados as “classes perigosas”.

A autora explica que, nessa época, homens e mulheres reivindicavam juntos melhores condições de trabalho (diminuição da jornada e proibição do trabalho infantil) num mesmo movimento sindical e político, porém, conforme a mentalidade da época, o salário da mulher apenas complementava o do homem, portanto não precisava haver condições de igualdade salarial para homens e mulheres. Dessa forma, não houve nenhum movimento específico a favor da igualdade salarial entre homens e mulheres até 1960. Nesse período de desigualdades gritantes quanto à remuneração de homens e mulheres, a mulher chegou a receber um terço do salário que um homem recebia na mesma função. Absurdo total!
Na metade do século XIX, tanto na Europa quanto nos EUA, o movimento dos trabalhadores estava a todo vapor. E foi nesse contexto, em 1903, que foi estruturada a Women's Trade Union League, objetivando organizar as trabalhadoras assalariadas. Com as crises industriais de 1907 e 1909, a oferta de mão de obra cresceu muito por conta da chegada de imigrantes europeus, assim os salários dos trabalhadores foram ainda mais reduzidos.

Em fevereiro de 1908, mulheres socialistas se reuniram para se manifestar e exigir o direito ao voto e melhores remunerações. Esse encontro foi chamado, extraoficialmente, de Dia da Mulher.



Em 25 de março de 1911, ocorreu outro fato marcante, um grande incêndio na Triangle Shirtwaist Company, uma fábrica de vestuário que ocupava os três últimos andares do Edifício Asch. Na hora do incidente, algumas portas da fábrica estavam fechadas, como parte de um processo repressivo de trabalho – além de portas trancadas, os relógios também eram cobertos, entre outras injustiças. Nesse incêndio, morreram 146 pessoas, dentre elas 125 mulheres – pois a maioria dos trabalhadores que a indústria empregava eram mulheres. Foi uma situação muito, muito triste, que acabou por fortalecer o reconhecimento dos sindicatos na luta por melhores condições de trabalho. Atualmente, no lugar onde ocorreu o incêndio, está instalada a Universidade de Nova York, e há uma placa descrevendo o fato e suas consequências.

No século XX, as mulheres trabalhadoras continuaram a lutar, fazer greves e reivindicar melhores condições e igualdade salarial. Em 1915, a conferência de Clara Zetkin sobre a mulher se torna um marco importante na história.

Muitas outras lutas foram travadas e manifestações foram feitas por mulheres, em 8 de março, na continuidade dessa história que fez deste o dia comemorativo da mulher. Mas foi apenas na década de 70 que a data foi consagrada. Ao contrário do que possa parecer, é um dia para lembrar dessa origem, da luta de tantas mulheres que viveram numa época de total falta de direitos mínimos, de fortes reivindicações trabalhistas e muitas perseguições que, inclusive, acabaram em tragédias e mortes.

Para mim, essa data simboliza uma luta que continua, pois ainda há mulheres recebendo salários inferiores aos dos homens, exercendo a mesma função; muitas mulheres que lutam por reconhecimento são tidas como objeto de subserviência, não são respeitadas, muito menos valorizadas, pela própria família, pois é comum, após uma jornada árdua de trabalho, enfrentarem sozinhas as tarefas do lar, perfazendo assim um terceiro turno de trabalho. É preciso lutarmos, nos posicionarmos contra a subordinação e a inferiorização da mulher, na busca e conquista plena de igualdade social. E a educação é um desses caminhos!

Deixo como reflexão o poema musicado “Não é de hoje”, da Banda Cardióides, e desejo novas e muitas conquistas às mulheres!

ELA ACORDA CEDO ANTES DO DIA AMANHECER

VER QUANTO DURO A VIDA PODE SER

ELA ESCONDE AS MARCAS DE UMA LUTA DESIGUAL

MAS ACREDITA VENCER NO FINAL

VER TANTA COISA ERRADA
ÀS VEZES PENSA EM DESISTIR

MAS SABE SEU DESTINO É SEGUIR


NÃO É DE HOJE QUE ELA PROCURA SOLUÇÃO

É HOJE, NÃO


ELA CHEGOU TÃO TARDE QUE PERDEU O PÔR DO SOL

HÁ MUITO TEMPO QUE ISSO É NORMAL

ELA INSPIRA FUNDO AO VER O CORAÇÃO SANGRAR

MAS SABE QUE UM DIA VAI PASSAR

NÃO É DE HOJE QUE ELA PROCURA SOLUÇÃO...


*Texto completo de EVA ALTERMAN BLAY, acesse AQUI.



Comentários

  1. Nilze Mary - Amei o seu texto! Parabéns, amiga Andréa Schoch!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, minha querida Nilze Mary. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Andréa Schoch

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…