Pular para o conteúdo principal

A origem do carnaval brasileiro

"Cena de Carnaval", de Jean Baptiste Debret

O carnaval brasileiro é sem dúvida uma das mais conhecidas festas do planeta, cuja fama superou em muito as celebrações carnavalescas do passado, como as celebrações dionisíacas da Antiguidade e as da Europa medieval. E talvez o grande diferencial da festa entre nós esteja na forte influência da cultura africana, que introduziu várias manifestações na comemoração do carnaval, que se tornariam célebres, como os batuques, as danças e, é claro, o samba. Por esse motivo não falta quem pense que o carnaval é uma festa tipicamente africana.

No entanto, um passeio pelas origens do carnaval brasileiro no final do século XIX nos revelará um quadro diferente. A celebração do carnaval, independente de seu caráter de festividade popular que incluía as classes menos abastadas, estava também relacionada aos objetivos das elites em se aproximar de hábitos e costumes europeus. Ainda em meados do século XIX são criadas sociedades carnavalescas, como “O congresso das sumidades carnavalescas” e “União veneziana”, destinadas à prática da festa em modelos inspirados nas comemorações europeias, trazendo o luxo e a polidez como características da celebração entre as classes mais abastadas, que dispunham de recursos para sustentar tais costumes. Era, em suma, uma das estratégias distintivas das elites da Belle Époque.

Além dessas figuras das classes altas, também as elites intelectuais participavam ativamente dos festejos. Gente como o conservador Carlos de Laet e o republicano ferrenho João Ribeiro, por exemplo, que travavam verdadeiras batalhas ideológicas nas páginas de periódicos da capital, apareciam lado a lado nesses cordões carnavalescos. As próprias revistas e jornais para os quais esses intelectuais colaboravam participavam da festa, realizando coberturas e até publicando letras de canções que seriam entoadas nos desfiles.

Há quem afirme na Revolução Francesa uma possível raiz do carnaval tal como comemorado no Brasil. Os vitoriosos teriam idealizado uma espécie de desfile, dedicado à “deusa do paganismo iluminista”, para ostentar para a população os novos princípios sociais que seriam estabelecidos após a queda da monarquia. Ao assumir o poder, Napoleão teria mantido a celebração, mas introduziu a presença de elementos da nobreza, que os antigos revolucionários tinham se esforçado para apagar do imaginário popular. Artistas, pintores e coreógrafos foram recrutados para embelezar o evento, o que teria influenciado uma geração de artistas plásticos franceses, inclusive muitos dos que, poucos anos depois, viriam para o Brasil como integrantes da missão francesa que acompanhou a família real portuguesa. Debret então teria revolucionado os desfiles caarnavalescos realizados no Rio de Janeiro, ao introduzir adereços como perucas, gravatas e joias na vestimenta dos carnavalescos.

Uma outra provável referência do carnaval é a Festa do Divino Espírito Santo, tradicionalíssima em Portugal, que entre o final do século XVIII e início do XIX era a mais popular festividade em terras brasileiras. Ali, além da combinação de desfile e procissão, havia o componente ainda hoje muito presente no carnaval da inversão mágica de papéis. Assim como hoje, quando os brincantes se fantasiam e por quatro dias assumem as mais variadas facetas, a celebração lusitana era marcada por uma suspensão da ordem habitual, que fazia com que as crianças assumissem o poder, os doentes isolados retomassem o convívio com os sãos e os presos por delito fossem colocados em liberdade. A Festa do Divino, celebrada em Portugal desde o século XIII, é apontada por muitos como o embrião do carnaval no Brasil.

As duas introduções, a francesa e a ibérica, tiveram a circunstância de seduzir profundamente a grande população afrodescendente no país, levando-os a participar ativamente dos festejos. Mal sabiam que no futuro a festa seria atribuída principalmente à forte influência da presença africana na cultura brasileira. A partir dos anos próximos à Abolição da escravatura o quadro começa a se alterar, pois os afrodescendentes, misturando-se à população livre mas pobre que ia às ruas para a festa, se encarregariam de trazer uma série de novidades que tornariam os festejos muito mais empolgantes e divertidos, com seus tambores regendo a livre expressão do corpo na dança e os capoeiras, com seus malabarismos, empolgando a massa de foliões de então.

O carnaval se configurava assim cada vez mais como uma festa popular e inclusiva. As ruas são tomadas por pessoas de todas as classes, raças e culturas, que durante aqueles dias veem suas diferenças diminuídas. Ricos, pobres, homens de letras, analfabetos, ex-escravos, portugueses, malandros e famílias, todos começam a escrever uma história que vemos hoje consolidada nas ruas do Brasil, como um dos mais importantes traços da nossa cultura.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…