Pular para o conteúdo principal

Proposições para uma educação inovadora em 2017


O movimento Maker surgiu na Califórnia, em 2005, com o objetivo de dar às pessoas a oportunidade de consertar seus objetos e máquinas e construir outros, além de reduzir o descarte e o consumo. O movimento parte da tônica “faça você mesmo”, tendo como base a ideia de que qualquer pessoa pode “construir, consertar, modificar e fabricar“ os mais diferentes tipos de projetos e objetos usando a mente e as próprias mãos. A cultura Maker teve impulso com o lançamento da revista Make Magazine e a partir de uma feira anual, a Make Faire, idealizada e lançada pelos fundadores do movimento, que reunia um universo significativo de pessoas, entre 50 e 125 mil, em três das maiores cidades dos Estados Unidos. A partir de então, muitos se juntaram aos makers (fazedores) e foram, inclusive, apoiados e seguidos por empresas e por pessoas de espírito empreendedor.
E foi com essa lógica que o movimento maker, encabeçado por educadores e especialistas, estendeu-se à área da educação, como uma estratégia para estimular o desenvolvimento do raciocínio lógico e o pensamento criativo, colocando o educando para pensar em como é possível construir ou consertar, assumindo o papel de protagonista no processo de elaboração e criação. Entre os estudiosos da educação que defendem a relação entre cultura Maker e aprendizagem está o professor Luciano Meira, da Universidade Federal de Pernambuco, que aponta a necessidade de os alunos mergulharem no que é de ordem prática, em contraponto ao modelo atual, centrado na teoria desvinculada da prática.
A estratégia de aplicação do “faça você mesmo” se apresenta tanto nas mais simples criações, realizadas por meio de ferramental simples, quanto na adoção de tecnologias de programação mais sofisticadas. Existem escolas que contam com laboratórios bem equipados e ferramental específico, como, por exemplo, impressoras 3D que cortam a laser, mas há outras que, mesmo não tendo aparatos tão sofisticados das novas tecnologias, organizam-se e abrem espaços para o exercício do maker, que pode ser realizado de forma simples, quando a escola dá aos alunos a oportunidade de colocar a mão na massa e aprender, tendo como possibilidade o pensar criativo e buscando soluções para questões que se apresentam no dia a dia e que podem ser solucionadas por eles mesmos.
Essa prática, além de resultar em belos frutos, tem gerado aumento no rendimento escolar de muitos alunos. E a pergunta que surge é: como fazer para colocar em prática essa ideia na escola?
Cristiano Sieves, especialista em Ludopedagogia, oferece três sugestões iniciais e certeiras para a implantação do maker na escola:
  1. A criação de um espaço maker, que pode ser uma sala de aula transformada em laboratório ou oficina, de forma que os alunos disponham de bancadas para manipular os objetos, criar, consertar, projetar. Sieves também sugere que o laboratório criado disponibilize materiais diversificados, tais como botões de roupa até materiais reciclados, cola, madeira e tantos quantos nossa criatividade aportar.
  2. Estímulo à formação da comunidade maker na escola, em que professores e alunos se unam com esse propósito. É preciso planejamento claro entre os educadores para que as aulas sejam espaços de enriquecimento prático.
  3. Intercâmbio entre makers, isto é, participação em workshops, outras oficinas realizadas fora da comunidade escolar ou troca de experiências que podem ser feitas por meio de videoconferência ou webconference, utilizando as novas tecnologias de comunicação de forma criativa para aproximar os distantes.

E o que os alunos testemunham?
O Instituto Porvir publicou recentemente o depoimento da aluna Maria Seixas Braga, do colégio Visconde de Porto Seguro, unidade Panamby, em São Paulo. Com 12 anos, ela já criou o próprio abajur, que conta com um sensor inteligente de luminosidade, cujo projeto foi desenvolvido com uma cortadora de vinil e um software de programação para Arduino. Em depoimento ao portal Porvir, a aluna explica: “Aqui a gente desenvolve muito esse trabalho maker. O professor explica o projeto, e o restante a gente faz por conta”.
Outro case de aplicação em escola, que atende crianças em situação de vulnerabilidade social e apontou resultados muito satisfatórios, ocorreu recentemente por meio do Projeto Âncora, em Cotia, São Paulo. Um professor da escola percebeu que, em dado momento de descontração, os alunos estavam brincando em volta de uma torneira, desperdiçando água potável sem perceber. A partir daquela situação, ele lançou para a classe a problemática da crise hídrica de São Paulo. Depois de oito meses de trabalho, os estudantes construíram um captador de água da chuva, depois de terem estudado física, química, geografia e matemática para entender a questão da seca. Pura aplicação de cultura maker.
Conheça outras boas experiências como essas acessando:
MENEZES, Karina; HARTMANN, Marcel. Aos poucos, cultura maker chega às escolas. Disponível em: http://infograficos.estadao.com.br/e/focas/movimento-maker/cultura-maker-e-coadjuvante-nas-escolas.php

SIEVES, Cristiano. 3 exemplos de como incentivar o movimento maker na educação. Disponível em: http://playtable.com.br/blog/3-exemplos-de-como-incentivar-o-movimento-maker-na-educacao/



Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…