Pular para o conteúdo principal

Postagens

6 dicas para começar bem o 2º semestre

Fim de férias. A síndrome do fantástico toma conta quando você pensa que o tempo de descanso terminou, as aulas vão iniciar e é preciso voltar ao trabalho. No geral, esse quadro não está diretamente ligado à volta às atividades, embora a rotina do professor seja muito intensa. O que ocorre é que, muitas vezes, nesta época do ano, já ligamos o piloto automático e começamos a operar por instrumentos, e assim nos sentimos muito mais cansados justamente por conta da tal rotina.
Você não é a única pessoa a se sentir assim, mas pode mudar esse quadro ainda este ano. Leia atentamente cada uma das seis dicas que preparamos para que você possa ter um semestre diferente e produtivo. Vamos a elas?
MOTIVAÇÃO Vive em paz quem gosta do que faz! Se os seus dias são enfadonhos e você não sente nenhuma realização profissional, há algo errado. É preciso compreender o que lhe traz MOTIVOS PARA A AÇÃO. Descobrir o que lhe dá satisfação no trabalho, o que faz brilhar seus olhos, é fundamental para que o dia …
Postagens recentes

O cativeiro reinventado

A existência da escravidão há muitos séculos no próprio continente africano foi um dos argumentos mais usados pelos europeus para justificar a verdadeira barbárie que foi a transferência forçada de seres humanos para alavancar riquezas em outras terras. Fortemente apoiado num discurso cristão, o cativeiro na América foi apresentado como uma espécie de oportunidade para reabilitação e salvação para quem vivia num continente amaldiçoado, como seria definida a África pelo olhar da Europa. Já que praticavam a escravidão subjugando seus próprios “irmãos de cor”, poderiam, trabalhando para as coroas e seu objetivo de disseminação da fé cristã, dignificar a sua existência ao ajudar a viabilizar a colonização do Novo Mundo.

Essa estratégia trouxe para o horizonte da cultura ocidental a ideia de raça, uma noção que naturalmente não existia para os africanos antes de seu continente ser visitado por navegadores. Os filhos da África foram simplesmente tomados pela uniformidade racial encontrada na…

Diversão e atividade física em um único Benefício

Você quer praticar uma atividade física, melhorar seu condicionamento e ainda se divertir? Então, experimente a Dança de Salão! Nas aulas, você pode aprender diversos ritmos, como bolero, soltinho, samba, forró, zouk e tango.
Espaços para se dedicar a essa atividade é o que não falta. Os associados Appai dispõem de diversas opções de locais de treinamento e eventos para colocar em prática os passos que aprenderam. No site da Appai, você descobre o endereço mais próximo da sua casa e pode se inscrever no Portal do Associado!
A responsável pelo Benefício Dança de Salão, Maeli Costa, ressalta que a prática é acima de tudo social. “Ela interfere positivamente no comportamento das pessoas, que se tornam mais confiantes, vencem a timidez e criam novos relacionamentos. Dançar aumenta a frequência cardíaca, estimula a circulação do sangue, melhora a capacidade respiratória e a coordenação motora e ainda contribui para queimar calorias”.
Os eventos, festas e programas de TV nacionais e internac…

Sua criatividade em sala de aula pode ser premiada!

Já pensou ganhar até R$ 12.000,00 com o seu projeto pedagógico? O Ministério da Educação está com as inscrições abertas para o 10º Prêmio Professores do Brasil até o dia 25 de agosto. A ação busca reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.
Neste ano, SEIS categorias serão contempladas:
• CRECHE • Educação Infantil
• PRÉ-ESCOLA • Educação Infantil
• CICLO DE ALFABETIZAÇÃO: 1º, 2º E 3º ANOS • Anos iniciais do Ensino Fundamental
• 4º E 5º ANOS • Anos iniciais do Ensino Fundamental
• 6º AO 9º ANOS • Anos finais do Ensino Fundamental
• ENSINO MÉDIO •

Assista o vídeo abaixo e saiba como participar!
Boa sorte!

3 palavras e um segredo

A menina Anne Carol, de 3 anos de idade, acordou bem-humorada no apartamento para o qual a família tinha se mudado havia pouco mais de uma semana. Em trajes de praia, ela veio caminhando pela cozinha em direção à área de serviços e disse: “Mãe, vou estender a minha toalha aqui (referindo-se ao chão da área de serviços, onde batia muito sol) e vou me ‘MORENIZAR’”. A mãe sorriu e compreendeu o sentido da palavra, entendendo que a filha tinha a intenção de dizer que pretendia se BRONZEAR. Então explicou para ela que a palavra usada quando queremos dizer que vamos ficar mais “cor de bronze”, depois de um tempo de exposição ao sol, é, na verdade, “bronzear”.


Em outro episódio, uma criança pequena se deparou com a imagem de uma lagartixa e chamou-a de “Jacaré piquininho”. É óbvio que a lagartixa e o jacaré têm semelhanças, como o fato de serem répteis, mas há também muitas diferenças entre eles. O jacaré, por exemplo, tem em torno de oitenta dentes afiados para despedaçar suas presas, que no…

As raízes da (in)justiça no Brasil

Nos últimos anos o país tem testemunhado uma presença provavelmente inédita de assuntos ligados ao direito em seu cotidiano. A partir da ideia amplamente disseminada de que a corrupção encerra todos os problemas do país (um mito para alguns), algumas ações voltadas para exercer a justiça, como processos e forças-tarefa, têm ganho relevância entre a população, recheando os noticiários da grande mídia e estando entre os mais assíduos temas em conversas e redes sociais. Essa ascensão do universo jurídico na vida brasileira atual tem também deixado mais evidente uma série de impropriedades e deficiências que nos dão a ideia de que a justiça é pra nós brasileiros algo ainda distante. Um item da vida pública destinado principalmente a servir a uma parte privilegiada da população.

E essa ideia se torna bastante compreensível quando fazemos um retorno no tempo e analisamos como o direito se estabelece entre nós, deixando suas raízes até os dias de hoje. A primeira autoridade jurídica a ser exe…

Parceria entre INCAvoluntário e Appai completa 12 anos

Neste ano, o INCAvoluntário, que trabalha incansavelmente para proporcionar mais conforto e alegria aos pacientes oncológicos, completou 14 anos de atuação no Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). E nós da Appai temos orgulho de fazer parte dessa trajetória. Já são 12 anos de parceria no desenvolvimento de projetos com o objetivo de contribuir com a melhoria da qualidade de vida dos pacientes em tratamento.
Todos os meses, 70 bolsas de alimentos completas são doadas para o projeto “Bolsa de Alimentos” do INCAvoluntário, que apoia pacientes em condições socioeconômicas desfavoráveis para que eles mantenham uma alimentação equilibrada em sua residência. A Associação promove ainda eventos, como as corridas do benefício Caminhadas & Corridas e o Grande Baile do benefício Dança de Salão, para reverter doação de leite em pó integral ao projeto, sendo arrecadadas mensalmente 600 latas para compor as bolsas. Os kits são montados em ecobags, quecontribuem sustenta…

O segredo das aprendizagens duradouras

Na área da educação, é comum e já se tornou um jargão a denominação “processo ensino-aprendizagem”. Quem já não falou ou ouviu isso? Muito comum entre nós professores, psicopedagogos e pedagogos, a expressão se tornou tão corriqueira que por vezes não paramos para pensar em cada um dos termos de forma distinta, separada.
Hoje vamos fazer esse exercício, dissociar e diferenciar os termos “ensino” e “aprendizagem”, para então abordar o conceito ilustrativo de aprendizagem significativa, que é bem diferente da aprendizagem mecânica. A ideia é desenrolar… Vamos lá?
A diferença entre “ensinar” e “aprender”
ENSINAR significa transmitir um conhecimento, é uma ação externa. Um pai ou mesmo um professor de educação física podem ensinar a uma criança o que é necessário para que ela consiga andar de bicicleta. Pode-se informar que é preciso equilíbrio, que deve olhar para a frente, controlar o freio e pedalar. Mas, para que haja aprendizagem, será fundamental que o aprendiz viva a experiência.
APRE…

Sobre o que hoje entendemos como amor

É ao longo do século XII que o casamento deixa de ser uma instituição meramente civil, utilizada principalmente pelas classes altas para acomodar questões financeiras e familiares, para tornar-se um campo de ação efetiva da Igreja, que pouco a pouco se insinua não só no ritual conjugal, mas também determina a forma com que os casados deveriam agir no seio da união esponsalícia.
O motivo principal para essa gradual inserção da igreja no casamento foi a tentativa de disciplinar a prática sexual, refreando o que entendia como a “pulsão da carne”. Naquele momento da cristandade está em alta uma visão ascética. As pessoas deveriam viver unicamente voltadas para a atitude contemplativa que as conduziria à salvação. Tudo o que não concorre para a concretização desse objetivo deve ser combatido e relacionado ao mal. O sexo, por sua vez, encabeça a lista das atividades humanas capazes de desviar dessa que seria a meta primordial da vida, a busca pelo encontro com Deus.
E dentro desse campo a mul…